Infravermelho na fisioterapia

Olá,Juniquetes e Juniquitos. Estou de volta!
Hoje vamos conversar sobre como o infravermelho pode ser usado na fisioterapia.
Sabe aquela luz vermelha que o fisioterapeuta coloca em cima da sua dor? entenda ela e nunca mais fique com raiva por ficar parado nela, entenda que é um tratamento que tem muitos benefícios.

Benefícios do infravermelho

  • Alivia a dor;
  • diminui a rigidez, relaxando o músculo;
  • facilita o movimento das articulações;
  • regenera o tecido;
  • retarda o envelhecimento da pele;
  • estimula o sistema imunológico;
  • aumenta a circulação sanguínea;
  • diminui a fadiga.

Contra-indicações

  • Circulação deficiente;
  • Zonas hemorrágicas;
  • Deficientes mentais;
  • Doentes psiquiátricos;
  • Tumores malignos.

Efeitos Fisiológicos

Vasodilatação:

O calor produz uma dilatação nas arteríolas e capilares superficiais; ele também irrita as terminações nervosas superficiais, produzindo vasodilatação reflexa. Esta vasodilatação vai produzir a diminuição da irrigação profunda que, se prorrogada, produzirá vasodilatação reflexa profunda. Ocorrerá eritema cutâneo imediato, que tende a cessar logo que se interrompa a irradiação.

Aumento do metabolismo:

Tem bases na lei de Vant Hoff que mostra como o calor é absorvido rapidamente; o aumento do metabolismo é superficial. Quando há aumento do metabolismo, há aumento da demanda de O2 e nutrientes, e conseqüente aumento de excreção.

Efeito sobre a inervação sensitiva:

Calor suave produz → Efeito sedante nas terminações nervosas
Calor intenso → Ativa os receptores de dor e calor, produzindo efeito irritante
O IV luminoso é mais irritante devido a ação dos raios visíveis e ação mais localizada.

Efeito sobre o tecido muscular:

A elevação da temperatura diminui a viscosidade tecidual; com isso, vai ocorrer aumento do relaxamento muscular, aumento do fluxo sanguíneo, aumento do aporte de O² e de glicose, melhorando a nutrição das mitocôndrias. Vai ocorrer aumento da produção de energia, aumentando a eficácia da contração e relaxamento. Se for aplicado numa musculatura antagonista, vai haver facilitação da ação dos agentes, melhorando o sincronismo.

Destruição tecidual:

Calor excessivo irrita os tecidos e produz coagulação e desnaturação das proteínas, ou seja, produz queimadura.

Aumento da pressão articular:

O calor aumenta o calibre dos vasos, diminuindo a resistência sanguínea devido à diminuição da viscosidade.

Aumento da atividade das glândulas sudoríparas:

Quando do hipotálamo é informado do aumento da temperatura local, como tentativa de eliminar os catabólitos e o calor, vai acontecer um aumento de funcionamento das glândulas sudoríparas e, como ocorre disseminação do calor pela corrente sanguínea, este efeito é disseminado por todo o organismo.

Aumento geral da temperatura:

Em tratamentos prolongados, vai ocorrer o aumento geral da temperatura, pois vão chegar informações de aumento de temperatura no hipotálamo que, como resposta, aumenta a temperatura geral para neutralizar a ação local.

Efeitos Terapêuticos

Diminuição da dor:

Seda as terminações nervosas livres, quando a dor for suave. A dor pode ocorrer por acúmulo de substâncias, que podem ser eliminadas pela vasodilatação, que aumenta a irrigação, o metabolismo, a assimilação de O2 e desassimilação dessas substâncias, diminuindo os catabólitos. Vai ocorrer diminuição dos catabólitos e diminuição da dor.

Relaxamento muscular:

Devido à melhora da nutrição e retirada de catabólitos.

Aumento da irrigação sanguínea:

Devido à vasodilatação.

Eliminação de produtos residuais:

Pela ação das glândulas sudoríparas.

Técnica de Aplicação:

  • Fase aguda → Não luminoso (menos irritante e mais sedante);
  • Fase crônica → Luminoso (mais irritante, maior ação e melhor aceitação)

Preparo do paciente:

  • Região desnuda;
  • Verificar sensibilidade para poder indicar a temperatura;
  • Posição do paciente agradável;
  • Sentir sensação agradável de calor;
  • Não tocar na lâmpada

Técnica de Tratamento:

  • Início → Distância maior;
  • Depois → Diminuir a distância;
  • Se a sudorese for intensa → Secar o paciente;
  • Se a sudorese for deficiente → Hidratar o paciente.

Cuidados durante o tratamento

  • Não usar toalhas ou roupas na região;
  • Proteger os olhos do paciente com algodão e tecido escuro;
  • Proteger a região occipital, em aplicações cervicais;
  • Secar as regiões com sudorese intensa;
  • Hidratar o paciente durante a aplicação;
  • Limpar a pele antes do tratamento;
  • Manter uma distância de 60 a 120 cm;
  • Manter uma angulação de 90(lei do Coseno);
  • Proteger os cabelos para evitar ressecamento.

Use com sabedoria  e tenha ótimos benefícios.

Um abraço com muita saúde!

One thought on “Infravermelho na fisioterapia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *