Tratamento contra enxaqueca

Olá, Juniquetes e Juniquitos.

Estou de volta!

Hoje vamos falar sobre a chata da enxaqueca que vem incomodando cerca de 15% da população brasileira, algo em torno de 31 milhões de pessoas, a maioria na faixa dos 25 aos 45 anos.

Após os 50, a taxa tende a diminuir, principalmente em mulheres.

Quando se trata de crianças, ocorre em 3% a 10%, afetando igualmente ambos os sexos antes da puberdade.

Após essa fase, o predomínio é no sexo feminino.

Entre as mulheres, o problema chega a até 25%, mais que o dobro da prevalência entre os homens, segundo o Ministério da Saúde.
A dor é facilmente confundida com a de uma cefaleia comum.
Mas, de acordo com a Academia Americana de Neurologia, não é necessário passar por exames de imagem para o diagnóstico.
Basta preencher os critérios que identificam a enxaqueca para que o tratamento possa ser iniciado.
Faça o tratamento adequado o quanto antes e viva bem e feliz.

FASES DA ENXAQUECA

 

1) Fase de Pródromo (presente em 50-80% das crises): Alterações de humor, irritabilidade, depressão, pensamento lentificado, retenção hídrica, compulsões alimentares, aumento percepção luminosa.

2) Fase de Aura (15-25%): Alterações visuais (escotomas, fosfenas, etc.), dormencia de dedos, braço e labios, desso e sensitivas, confusão mental.

3) Fase de Cefaléia: Geralmente pulsátil e hemicraniana, pode apresentar contudo grandes variações, mesmo no mesmo paciente. Lentificação do pensamento, fonofobia e fotofobia. Contratura reflexa musculos cervicais.

4) Fase de Resolução:

5) Fase pós-crise: Mal-estar, fadiga, dificuldade à concentração, dolorimento músculos cranio-cervicais, inapetência.

Lembrando que em cada pessoa, como ser único, as crises podem ser diferentes.

COMO TRATAR INICIALMENTE

  •  Identifique e evite o que desencadeia a enxaqueca: os fatores mais comuns são estresse, jejum, café, chocolate, má qualidade do sono e fatores genéticos ou hormonais.
  • Faça compressa de gelo, ele ajuda.
  • Tente desestressar.  Que tal fazer uma acupuntura semanalmente? você vai sentir a diferença.
  • Que tal escolher uma atividade física favorita? ela contribui para a vascularização do crânio, o que evita episódios e atenua as dores da crise.
  • Durma, isso mesmo, melhorar sua qualidade de sono faz toda diferença, porque, relaxar ou apenas deitar-se no escuro pode reduzir o estresse e interromper ações do cérebro que desencadeiam a dor.
  • Faça massagem periodicamente, fora das crises, e observe se ocorre diminuição na frequência, intensidade e duração de suas crises de enxaqueca. (Embora o mecanismo de ação da massagem sobre nosso cérebro seja extremamente complexo e ainda pouco compreendido, estudos demonstram uma diminuição nos níveis de cortisol (International Journal of Neuroscience, vol. 115 n° 10, páginas 1397-1413), o hormônio do stress.)
O ideal é procurar um neurologista e fazer um tratamento acompanhado da acupuntura, massagem relaxante, psicólogo e nutricionista, para fases mais avançadas da enxaqueca um tratamento multiprofissional é essencial.
Assim, ir diminuindo a dose do remédio é uma boa escolha para viver bem sem a enxaqueca.
Um abraço com muita saúde,

10 thoughts on “Tratamento contra enxaqueca

  1. oi!
    Enxaqueca é uma dor horrivel, sofri com isso por anos ate que fiz um tratamento e hoje estou bem melhor. Mudei meus habitos e faço esporte e hoje quase não tenho mais dor.

  2. Eu tenho enxaqueca a dois anos quase e nunca tinha lido sobre os sintomas. Lendo teu post vi que sinto tudo aquilo que está descrito, fui no médico uma vez e me deram um antidepressivo que após duas semanas fez com que eu sentisse vontade de me matar, então parei e elas continuaram por algum tempo, passaram definitivamente e agora voltaram (as dores e sintomas). A enxaqueca aparece mais quando somatizo situações onde não tenho controle de mudar e que me estressam muito. Estou cuidando pra não somatizar nada e nem me estressar mais.
    Teu post é de utilidade pública, parabéns. Beijos

  3. Olá, tudo bem?

    Ano passado minha mãe teve uma crise forte enxaqueca e ficou 30 dias internada, então sei bem como ela pode ser pesada e influenciar em tudo na nossa vida. Hoje ela faz um acompanhamento com vários especialistas e tem conseguido reduzir as crises. Seu post contém informações muito válidas e foi muito bem escrito. Parabéns, irá ajudar muitas pessoas. Procurar um médico é fundamental!

    Beijos!

  4. Adorei as dicas!
    Desde o ano passado passei a sofrer com esse mal, no meu caso é hereditária e se desencadeia pelo stress.
    Nos dias de hoje é difícil não se estressas nunca né, mas eu tento ao máximo levar uma vida leve porque quando me ataca uma crise eu fico péssima, nem consigo sair da cama. Já vou colocar suas dicas em prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *