Fascite Plantar – Como tratar?

Olá, Juniquetes e Juniquitos. Estou de volta!
Hoje vamos falar da  Fascite plantar,  é o problema mais comum da região posterior do pé em corredores, causa dor na face plantar do calcanhar e na face medial do pé. Sendo também a principal causa de talalgia em indivíduos adultos, caracterizando-se por quadro doloroso na região plantar do retropé (METZKER, 2012).

De acordo com Castro (2010) constitui uma das mais frequentes lesões por hiper solicitação, afetando aproximadamente 10% dos atletas de corrida, basquetebol, tênis, futebol, ginástica e outros desportos.

É considerada pelos profissionais da saúde uma das lesões mais comuns encontradas no pé, representada por um processo degenerativo da fáscia plantar que causa dor sob a tuberosidade medial do calcâneo assim que essa estrutura inicia o suporte de peso.

Essa incapacidade da fáscia de suportar cargas gera o mecanismo que leva ao desenvolvimento da fascite plantar (LOPES, 2013).

As funções da fáscia plantar são ajudar a musculatura intrínseca na sustentação do arco longitudinal interno, na supinação da articulação subastragalina durante o período propulsivo, no acúmulo de energia devido a seu comportamento viscoelástico e transmissão de forças de tensão desde o tríceps sural até os dedos.

Essa dor geralmente é intensificada após sentar e ao iniciar a marcha pela manhã ao acordar, pois o primeiro apoio provoca um estiramento brusco da aponeurose provocando assim a dor, mas cessa após cinco a dez minutos de atividade, podendo voltar após o repouso.

À palpação encontra-se dor na fixação proximal da aponeurose a tuberosidade medial do calcâneo e na sua
face medial.

Apesar de comum em corredores, pode se manifestar em qualquer um, sendo mais comum em mulheres a partir dos 40 anos, período onde ocorre um processo inflamatório na fáscia plantar devido à sobrecarga contínua sobre ela deixando-a tensionada.

Esta sobrecarga é multifatorial, e pode estar relacionada a aumento de peso, uso de salto alto, fraqueza da musculatura intrínseca do pé, e pés planos, cavos, pronados e vários outros fatores (MEDINA, 2013).

TRATAMENTO MAIS INDICADO PARA FASCITE PLANTAR

As fáscias formam um tecido de continuidade, isso quer dizer que não há interrupção entre o final de uma fáscia Resultado de imagem para fascite plantar liberação miofascial crochetagemmuscular/tendínea, com o osso e com o músculo seguinte.

A fascite plantar é uma das principais causas de dor em corredores e tendo em vista que saúde é o completo estudo do bem-estar físico, mental, social e não somente a ausência de doença ou enfermidade, a falta de uma intervenção a longo prazo gera um corpo limitado em seus movimentos, menos elástico, retraído, com postura deficiente e sem
total liberdade respiratória.

A liberação miofascial é uma técnica que atua com mobilizações manuais da fáscia, que tem como objetivo o aumento da amplitude de movimento, alívio da dor e o restauro da quantidade e da qualidade normal dos movimentos, logo se pode inferir que é uma das técnicas da fisioterapia manual de simples aplicação e que se enquadra no tratamento da patologia sem ônus.

A manipulação das fáscias é uma ferramenta fundamental nos tratamentos do sistema musculoesquelético, devolvendo maior liberdade e organização dos movimentos, diminuição de dores e alinhamento postural.

A liberação miofascial possui técnicas fundamentais para a desativação de pontos gatilhos e seus sintomas.

Para Arruda (2010) essa liberação é uma técnica que atua com as mobilizações manuais da fáscia que são executadas com o intuito de aumentar a amplitude de movimento, aliviar a dor e restaurar a quantidade e a qualidade normal dos movimentos, visto que muitas técnicas visam apenas o músculo, em detrimento do componente fáscia, e quando esta não é trabalhada o músculo retornaria a sua posição original.

Portanto essa técnica pode sim ser uma forma de intervenção mais adequada para auxiliar na obtenção de resultados mais duradouros pois age sobre o tecido conjuntivo, trabalha a elasticidade do corpo e ao mesmo tempo a função estática da fisiologia da locomoção, dessa forma promove um tratamento global ao o menor tensionamento ativo ou passivo gerando repercussões sobre todo o conjunto.

Procure seu fisioterapeuta e faça seu tratamento.

Um abraço com muita saúde!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *